8 sinais que seu corpo envia quando você não está bebendo água suficiente

0 views
0%

Estima-se que cerca de 70% do corpo humano seja composto de água, e por esta razão nenhuma pessoa pode deixar de ingeri-la por mais de uma semana sem colocar sua vida em risco.

Este líquido vital participa das reações metabólicas e catabólicas do organismo, além de ser essencial para a saúde da pele, o cabelo e as unhas.

O problema é que, em algumas ocasiões, não proporcionamos ao corpo a quantidade diária necessária e, como consequência, surgem alguns transtornos físicos e mentais.

Embora a sede seja o sinal mais evidente da desidratação, existem outros sinais contundentes que nos alertam a respeito da falta de líquidos no organismo.

Você conhece alguns deles?

Indícios de que você precisa beber mais água

Água

1. Alterações nos hábitos de micção

Uma pessoa saudável vai urinar, em média, de 6 a 7 vezes por dia. No entanto, esta quantidade pode variar em cada indivíduo dependendo da quantidade de líquidos ingeridos ao longo do dia.

Se a frequência da micção é de somente 2 ou 3 vezes ao dia, é fundamental aumentar o consumo de água e, dentro do possível, consultar um médico.

O consumo deficiente de água afeta de forma direta a saúde renal e pode levar a complicações de saúde graves.

2. Dores de cabeça contínuas

As dores de cabeça contínuas podem ser resultado do desequilíbrio no nível de líquidos no organismo.

A água é essencial para manter a circulação adequada do sangue e um equilíbrio correto na resposta inflamatória do organismo.

Quando a cefaleia se produz por causa da desidratação é comum que a dor seja mais intensa em movimento.

Por exemplo, um indivíduo que não ingere água suficiente costuma sentir tensão ao fazer movimentos rápidos ou de exigência física como subir e descer escadas.

No caso de identificar a falta de líquidos como a causa deste transtorno, aconselha-se tomar água e sais minerais.

3. Boca seca

O ressecamento na boca é muito comum quando o corpo não tem líquido suficiente para a produção adequada de saliva.

O risco deste problema é que o pH da boca sofre um desequilíbrio e aumenta o risco de infecções na cavidade oral e na garganta.

Diante desta condição é primordial manter uma garrafa de água sempre à mão e, dentro do possível, usar um hidratante para os lábios.

4. Alterações na cor da urina

As mudanças na cor da urina sempre são um motivo para acender o sinal de alerta, especialmente quando são acompanhadas de um odor forte.

Quando o corpo não está bem hidratado, os rins têm dificuldades de expulsar as toxinas e a urina apresenta uma mudança de cor drástica.

Se ela está escura ou turva demais, deve-se consultar um médico para descartar a hipótese de desidratação crônica ou uma doença renal.

Para solucionar este problema é preciso aumentar o consumo de água, mas sempre de forma gradual. O fato de ingerir vários copos de água ao mesmo tempo pode acabar causando problemas mais graves.

5. Fadiga

A falta de água afeta a oxigenação das células do corpo e conduz a episódios fortes de fadiga crônica.

Há quem pense que podem solucioná-la com café ou alguma outra bebida energética, mas na verdade isso sobrecarrega o fígado e, a longo prazo, pode ser ainda pior.

Para evitar isso, hidrate o corpo todas as manhãs com um copo de água morna.

6. Câimbras musculares

Junto com a desidratação pode ocorrer uma alteração nos níveis de eletrólitos do organismo.

Isso indica que o potássio, o cálcio e o magnésio diminuem, o que causa câimbras musculares e dores.

7. Prisão de ventre

O consumo diário de água é essencial para manter a lubrificação e o movimento do intestino e, portanto, para evitar a incômoda prisão de ventre.

Se o consumo de líquidos for escasso, o sistema terá dificuldades de expulsar os resíduos e as fezes que ficam retidas no cólon.

Para que isso não aconteça, recomenda-se ingerir entre 6 e 8 copos de água todos os dias, além de consumir frutas e verduras ricas em fibras.

8. Pele seca

Para manter a pele hidratada e suave não apenas é importante aplicar tratamentos de uso tópico.

A ingestão diária de água previne as alterações na produção natural de óleos da pele, evita o ressecamento e contribui para eliminar as toxinas que aceleram o seu envelhecimento.

Ter uma deficiência de gorduras naturais na pele indica que o corpo está desidratado e pede a gritos um consumo maior de água.

Em conclusão, muitas funções do organismo dependem da água, e o fato de não ingeri-la corretamente pode acabar provocando reações indesejadas e doenças em nosso corpo.

É fundamental estar sempre atento aos sintomas da desidratação para não correr o risco de desenvolver doenças mais graves que prejudiquem a nossa saúde.

Estima-se que cerca de 70% do corpo humano seja composto de água, e por esta razão nenhuma pessoa pode deixar de ingeri-la por mais de uma semana sem colocar sua vida em risco.

Este líquido vital participa das reações metabólicas e catabólicas do organismo, além de ser essencial para a saúde da pele, o cabelo e as unhas.

O problema é que, em algumas ocasiões, não proporcionamos ao corpo a quantidade diária necessária e, como consequência, surgem alguns transtornos físicos e mentais.

Embora a sede seja o sinal mais evidente da desidratação, existem outros sinais contundentes que nos alertam a respeito da falta de líquidos no organismo.

Você conhece alguns deles?

Indícios de que você precisa beber mais água

Água

1. Alterações nos hábitos de micção

Uma pessoa saudável vai urinar, em média, de 6 a 7 vezes por dia. No entanto, esta quantidade pode variar em cada indivíduo dependendo da quantidade de líquidos ingeridos ao longo do dia.

Se a frequência da micção é de somente 2 ou 3 vezes ao dia, é fundamental aumentar o consumo de água e, dentro do possível, consultar um médico.

O consumo deficiente de água afeta de forma direta a saúde renal e pode levar a complicações de saúde graves.

2. Dores de cabeça contínuas

As dores de cabeça contínuas podem ser resultado do desequilíbrio no nível de líquidos no organismo.

A água é essencial para manter a circulação adequada do sangue e um equilíbrio correto na resposta inflamatória do organismo.

Quando a cefaleia se produz por causa da desidratação é comum que a dor seja mais intensa em movimento.

Por exemplo, um indivíduo que não ingere água suficiente costuma sentir tensão ao fazer movimentos rápidos ou de exigência física como subir e descer escadas.

No caso de identificar a falta de líquidos como a causa deste transtorno, aconselha-se tomar água e sais minerais.

3. Boca seca

O ressecamento na boca é muito comum quando o corpo não tem líquido suficiente para a produção adequada de saliva.

O risco deste problema é que o pH da boca sofre um desequilíbrio e aumenta o risco de infecções na cavidade oral e na garganta.

Diante desta condição é primordial manter uma garrafa de água sempre à mão e, dentro do possível, usar um hidratante para os lábios.

4. Alterações na cor da urina

As mudanças na cor da urina sempre são um motivo para acender o sinal de alerta, especialmente quando são acompanhadas de um odor forte.

Quando o corpo não está bem hidratado, os rins têm dificuldades de expulsar as toxinas e a urina apresenta uma mudança de cor drástica.

Se ela está escura ou turva demais, deve-se consultar um médico para descartar a hipótese de desidratação crônica ou uma doença renal.

Para solucionar este problema é preciso aumentar o consumo de água, mas sempre de forma gradual. O fato de ingerir vários copos de água ao mesmo tempo pode acabar causando problemas mais graves.

5. Fadiga

A falta de água afeta a oxigenação das células do corpo e conduz a episódios fortes de fadiga crônica.

Há quem pense que podem solucioná-la com café ou alguma outra bebida energética, mas na verdade isso sobrecarrega o fígado e, a longo prazo, pode ser ainda pior.

Para evitar isso, hidrate o corpo todas as manhãs com um copo de água morna.

6. Câimbras musculares

Junto com a desidratação pode ocorrer uma alteração nos níveis de eletrólitos do organismo.

Isso indica que o potássio, o cálcio e o magnésio diminuem, o que causa câimbras musculares e dores.

7. Prisão de ventre

O consumo diário de água é essencial para manter a lubrificação e o movimento do intestino e, portanto, para evitar a incômoda prisão de ventre.

Se o consumo de líquidos for escasso, o sistema terá dificuldades de expulsar os resíduos e as fezes que ficam retidas no cólon.

Para que isso não aconteça, recomenda-se ingerir entre 6 e 8 copos de água todos os dias, além de consumir frutas e verduras ricas em fibras.

8. Pele seca

Para manter a pele hidratada e suave não apenas é importante aplicar tratamentos de uso tópico.

A ingestão diária de água previne as alterações na produção natural de óleos da pele, evita o ressecamento e contribui para eliminar as toxinas que aceleram o seu envelhecimento.

Ter uma deficiência de gorduras naturais na pele indica que o corpo está desidratado e pede a gritos um consumo maior de água.

Em conclusão, muitas funções do organismo dependem da água, e o fato de não ingeri-la corretamente pode acabar provocando reações indesejadas e doenças em nosso corpo.

É fundamental estar sempre atento aos sintomas da desidratação para não correr o risco de desenvolver doenças mais graves que prejudiquem a nossa saúde.

"> Estima-se que cerca de 70% do corpo humano seja composto de água, e por esta razão nenhuma pessoa pode deixar de ingeri-la por mais de uma semana sem colocar sua vida em risco.

Este líquido vital participa das reações metabólicas e catabólicas do organismo, além de ser essencial para a saúde da pele, o cabelo e as unhas.

O problema é que, em algumas ocasiões, não proporcionamos ao corpo a quantidade diária necessária e, como consequência, surgem alguns transtornos físicos e mentais.

Embora a sede seja o sinal mais evidente da desidratação, existem outros sinais contundentes que nos alertam a respeito da falta de líquidos no organismo.

Você conhece alguns deles?

Indícios de que você precisa beber mais água

Água

1. Alterações nos hábitos de micção

Uma pessoa saudável vai urinar, em média, de 6 a 7 vezes por dia. No entanto, esta quantidade pode variar em cada indivíduo dependendo da quantidade de líquidos ingeridos ao longo do dia.

Se a frequência da micção é de somente 2 ou 3 vezes ao dia, é fundamental aumentar o consumo de água e, dentro do possível, consultar um médico.

O consumo deficiente de água afeta de forma direta a saúde renal e pode levar a complicações de saúde graves.

2. Dores de cabeça contínuas

As dores de cabeça contínuas podem ser resultado do desequilíbrio no nível de líquidos no organismo.

A água é essencial para manter a circulação adequada do sangue e um equilíbrio correto na resposta inflamatória do organismo.

Quando a cefaleia se produz por causa da desidratação é comum que a dor seja mais intensa em movimento.

Por exemplo, um indivíduo que não ingere água suficiente costuma sentir tensão ao fazer movimentos rápidos ou de exigência física como subir e descer escadas.

No caso de identificar a falta de líquidos como a causa deste transtorno, aconselha-se tomar água e sais minerais.

3. Boca seca

O ressecamento na boca é muito comum quando o corpo não tem líquido suficiente para a produção adequada de saliva.

O risco deste problema é que o pH da boca sofre um desequilíbrio e aumenta o risco de infecções na cavidade oral e na garganta.

Diante desta condição é primordial manter uma garrafa de água sempre à mão e, dentro do possível, usar um hidratante para os lábios.

4. Alterações na cor da urina

As mudanças na cor da urina sempre são um motivo para acender o sinal de alerta, especialmente quando são acompanhadas de um odor forte.

Quando o corpo não está bem hidratado, os rins têm dificuldades de expulsar as toxinas e a urina apresenta uma mudança de cor drástica.

Se ela está escura ou turva demais, deve-se consultar um médico para descartar a hipótese de desidratação crônica ou uma doença renal.

Para solucionar este problema é preciso aumentar o consumo de água, mas sempre de forma gradual. O fato de ingerir vários copos de água ao mesmo tempo pode acabar causando problemas mais graves.

5. Fadiga

A falta de água afeta a oxigenação das células do corpo e conduz a episódios fortes de fadiga crônica.

Há quem pense que podem solucioná-la com café ou alguma outra bebida energética, mas na verdade isso sobrecarrega o fígado e, a longo prazo, pode ser ainda pior.

Para evitar isso, hidrate o corpo todas as manhãs com um copo de água morna.

6. Câimbras musculares

Junto com a desidratação pode ocorrer uma alteração nos níveis de eletrólitos do organismo.

Isso indica que o potássio, o cálcio e o magnésio diminuem, o que causa câimbras musculares e dores.

7. Prisão de ventre

O consumo diário de água é essencial para manter a lubrificação e o movimento do intestino e, portanto, para evitar a incômoda prisão de ventre.

Se o consumo de líquidos for escasso, o sistema terá dificuldades de expulsar os resíduos e as fezes que ficam retidas no cólon.

Para que isso não aconteça, recomenda-se ingerir entre 6 e 8 copos de água todos os dias, além de consumir frutas e verduras ricas em fibras.

8. Pele seca

Para manter a pele hidratada e suave não apenas é importante aplicar tratamentos de uso tópico.

A ingestão diária de água previne as alterações na produção natural de óleos da pele, evita o ressecamento e contribui para eliminar as toxinas que aceleram o seu envelhecimento.

Ter uma deficiência de gorduras naturais na pele indica que o corpo está desidratado e pede a gritos um consumo maior de água.

Em conclusão, muitas funções do organismo dependem da água, e o fato de não ingeri-la corretamente pode acabar provocando reações indesejadas e doenças em nosso corpo.

É fundamental estar sempre atento aos sintomas da desidratação para não correr o risco de desenvolver doenças mais graves que prejudiquem a nossa saúde.

&source=https://www.portalvidanaroca.com.br">